A matria abaixo foi publicada na seo Wonderground, do site Gonline: www.gonline.com.br. Essa seo editada pela jornalista Cludia Wonder (foto acima) presidenta da Associao Flor do Asfalto.

Disforia de Gnero (GID)
por Dra. Martha Freitas

Hoje em dia, no mundo cientfico, uma srie de fenmenos conhecida como disforias de gnero. Um outro nome muito usado GID - Gender Identity Disorders ou Transtornos de Identidade de Gnero.

No CID-10 (Cdigo Internacional de Doenas) da Organizao Mundial de Sade, esses transtornos esto classificados sob a rubrica F64. Incluem-se entre essas disforias de gnero (disforia quer dizer sentir uma indisposio, um mal estar, uma inadequao com sua situao de gnero, independentemente se essa inadequao se d com o corpo todo, com partes dele, ou apenas com o papel social), o transexualismo, classificado como F64.0... o crossdressing, classificado como F64.1, o travestismo (ou hoje em dia conhecido tambm como transgenderismo ainda no bem classificado no CID (hoje em dia est classificado como GIDNOS - Transtorno de identidade de gnero no muito bem especificado, com o que ns no concordamos), e situaes de hermafroditismo e de intersexo, quando a designao sexual cirrgica precoce se mostra inadequada (um grande nmero de casos, mais de 25% de todos os casos de designao cirrgica de bebs intersexuais e hermafroditas geram uma GID do tipo transexual).

Quando falamos de transexuais, travestis e crossdressers, sempre se vulgariza a conversa, e se confunde atos da vontade com gostos pessoais... gostos pessoais com tendncias devido a traumas precoces... tendncias devido a traumas com fatores genticos e neurobiolgicos. Vamos procurar mudar o nvel da conversa, elevando-a para o cientfico, neurobiolgico e psicoteraputico.

Continua...



Escrito por Flor do Asfalto s 03h30 PM
[   ] [ envie esta mensagem ]




Continuao

Transexualismo a radical inadequao existencial entre caractersticas genitais e cerebrais. No um problema psicolgico, e muito menos moral. No opo pessoal. desarmonia somtica, congnita, por uma discordncia estrutural entre o sexo genital e o sexo do crebro. Essas pessoas tm o pleno direito a terem sua realidade harmonizada internamente, atravs de uma redesignao genital _j que a redesignao cerebral impossvel. Nestes casos, a cura da situao de disforia o diagnstico o mais precoce possvel, a hormonioterapia idem, e a redesignao sexual tambm... com a conseqente automtica redesignao civil, e incluso social irrestrita. Nos pases onde esta forma de tratar da questo seguida, como Holanda e Blgica, a cura total, em crianas de 16 anos plenamente redesignadas e reintegradas socialmente.

Pases subdesenvolvidos como o Brasil, nem permitem o estudo de crianas... as autoridades tentam impedir inclusive o estudo... meios de comunicao mais populares tentam impedir que se divulgue a possibilidade da cura e do estudo... universidades tentam impedir que se divulgue a possibilidade de cura e estudo... o que faz com que muitos se tratem no exterior, quando podem, os poucos que podem. No Brasil, a avaliao comea, se comear, aos 18 anos... estamos na idade da pedra... e geralmente, nos meios acadmicos e oficiais, da pior qualidade...

Travestismo, ou transgenderismo, uma inadequao parcial com sua situao de gnero. Existe a disforia com o corpo, mas no com os genitais. Nossa experincia indica que o crebro neste caso no est em desarmonia com os genitais, mas um trauma na primeira infncia, muito forte, geralmente uma rejeio materna na primeira infncia, termina por gerar essa disforia bastante, mas no totalmente, radical. Tratamento psicoterpico se mostra ineficiente, e esses casos dificilmente regridem. O melhor apoiar a vtima em sua situao de disforia, acolhendo-a socialmente como ela , e existencialmente como ela se tornou, como fizeram com que ela se tornasse. O melhor encarar esses casos como uma situao de diversidade, gerada por um trauma verdade, mas em si irreversvel. Precisam de cuidados mdicos e teraputicos especiais, infelizmente ainda to negligenciados por nossa sociedade. Geralmente, marginalizados, terminam se prostituindo como forma de sobrevivncia, e como reao social ao estado de maus tratos.

O Crossdressing uma sensao de disforia com o papel social. Apresenta uma enorme diversidade de causas e conseqncias, mas geralmente est associado a traumas no to precoces nem to profundos... abusos sexuais... inaceitao da figura paterna... identificao excessiva com a me...

Pode ser reversvel, em princpio, mas, infelizmente, muitas vezes, vem associado a psicopatias como uma OCD - um transtorno obsessivo e compulsivo, que se no tratado, tende a se agravar com o tempo.

Esclarecido quem so, vamos esclarecer quem no so:

No so necessariamente homossexuais. Tanto transexuais, travestis e crossdressers podem ter sua orientao como heterossexuais, bissexuais ou homossexuais.

No so necessariamente promscuos... a sociedade, ignorante e irresponsvel, muitas vezes os condenam a viver na misria, no abandono, no desemprego e na marginalidade... o que pode acarretar como conseqncia a promiscuidade.

No so bandidos... perto de alguns juzes, procuradores e outras autoridades, eles deveriam ser considerados santinhos.

No so doentes mentais... no so inferiores a ningum... apenas, em alguns casos, os traumas e os maus tratos geram depresses terrveis, os traumas podem gerar estados psicticos como esquizofrenias, muitas vezes conseqncia e nem sempre causa destas GID e GIDNOS... muitas vezes apresentam uma OCD associada disforia.

No so decados morais... apenas so abandonados por falsas religies, que ao invs de os acolher, os excluem, como fizeram antes com mulheres, ndios, negros, homossexuais... e outras minorias excludas da teologia particular e do moralismo do que s consegue enxergar defeitos no alheio.

O que se pode fazer por eles?

Antes de mais nada, respeit-los, todos, pelo que so.

Em segundo lugar, respeit-los sempre por no consider-los nunca pelo que no so.


por Dra.Martha Freitas - Walria Torres, M.S., Ph.D.

Dra.Martha Freitas Diretora da Gendercare Gender Clinic (www.gendercare.com), clnica tetralngue de gnero (ingls, portugus, francs e espanhol) que diagnostica, trata e acompanha casos de GID em mais de 120 pases, pela internet, sendo tambm membro titular da Harry Benjamin International Gender Dysphoria Association,Inc-HBIGDA, que estabelece internacionalmente os SOC, os Standards of Care, hoje em sua verso 6 de 2001, como protocolo de tratamento das GID's, conforme o CID-10. Na Biblioteca da Gendercare encontram-se os SOC6 comentados por Dra.Martha, e muitos outros originais e papers sobre esses assuntos, inclusive em portugus.



Escrito por Flor do Asfalto s 03h26 PM
[   ] [ envie esta mensagem ]






Cludia Wonder, presidenta da Flor do Asfalto

Transgneros

Por Klcius Borges*

Partindo para identidades sexuais mais complexas, chegamos a definio dos transgneros. Transgnero um termo abrangente, que inclui qualquer pessoa que expressa suas caractersticas de gnero (identidade e papel) de uma forma que no corresponde s caractersticas comumente associadas ao sexo biolgico (ou presumido) desta pessoa.

Transgnero no uma orientao sexual.

Algumas pessoas nessa categoria definem-se como mulher para homem, ou homem para mulher, e podem, em alguns casos, submeterem-se a tratamento hormonal ou cirurgia para ajuste de sexo.

Outras pessoas se identificam como transgneros por no se sentirem confortveis se vendo exclusivamente como homem ou mulher. Neste sentido, os termos mais conhecidos so: o transexual e o cross-dresser.

importante ressaltar que o gnero varia, e que muitas pessoas no se encaixam em uma nica definio. Muitos transgneros e transexuais so gays, lsbicas e bissexuais.

*Klcius Borges psiclogo, psicoterapeuta, especializado em aconselhamento e psicoterapia afirmativa para gays. Escreve sobre o tema regularmente em vrios veculos dirigidos ao pblico GLBTT.


No deixe de ler a coluna Papo Cabea da Gonline - www.gonline.com.br



Escrito por Flor do Asfalto s 01h44 PM
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Histrico
  28/08/2011 a 03/09/2011
  31/07/2011 a 06/08/2011
  24/07/2011 a 30/07/2011
  10/07/2011 a 16/07/2011
  26/06/2011 a 02/07/2011
  03/04/2011 a 09/04/2011
  20/03/2011 a 26/03/2011
  20/02/2011 a 26/02/2011
  13/02/2011 a 19/02/2011
  06/02/2011 a 12/02/2011
  23/01/2011 a 29/01/2011
  16/01/2011 a 22/01/2011
  09/01/2011 a 15/01/2011
  12/12/2010 a 18/12/2010
  28/02/2010 a 06/03/2010
  26/07/2009 a 01/08/2009
  19/04/2009 a 25/04/2009
  28/12/2008 a 03/01/2009
  12/10/2008 a 18/10/2008
  24/08/2008 a 30/08/2008
  10/08/2008 a 16/08/2008
  15/06/2008 a 21/06/2008
  08/06/2008 a 14/06/2008
  01/06/2008 a 07/06/2008
  11/05/2008 a 17/05/2008
  20/04/2008 a 26/04/2008
  23/03/2008 a 29/03/2008
  16/03/2008 a 22/03/2008
  09/03/2008 a 15/03/2008
  02/03/2008 a 08/03/2008
  03/02/2008 a 09/02/2008
  19/08/2007 a 25/08/2007
  27/05/2007 a 02/06/2007
  13/05/2007 a 19/05/2007
  14/01/2007 a 20/01/2007
  17/12/2006 a 23/12/2006
  23/04/2006 a 29/04/2006
  16/04/2006 a 22/04/2006
  02/04/2006 a 08/04/2006
  26/03/2006 a 01/04/2006
  19/03/2006 a 25/03/2006
  12/03/2006 a 18/03/2006
  05/03/2006 a 11/03/2006


Outros sites
  UOL - O melhor contedo
  gonline
  Uva na Vulva
  Soninha
  Transfofa em Blog
  Lynn Conway
  Trans - Informaes bsicas
  Erick Galdino
  Transexualidade
  Buck Angel
  ATTTA
  Casa de Apoio Brenda Lee
  Transexualidade
  Carla Antonelli - Espanhol
  Blog do Hlio
Votao
  D uma nota para meu blog



DICAS DE LEITURA


Joan Roughgarden
Editora Planta


Prof. Molinero
Editora Mandla


Claudio Picazio
Editora GLS


June Singer
Editora Cultrix


Maria Jacqueline Coelho Pinto e Maria Alves de Toledo Bruns
Editora tomo & Alnea


eXTReMe Tracker
online

O que é isto?